Desista de procurar o que você ama

artigo_89024

Essa deve ser uma das buscas mais intensas da atualidade. Estamos na época em que as pessoas cada vez mais abandonam seus trabalhos chatos, sua falta de sonhos para saírem atrás daquilo que realmente amam fazer.

Vemos aquelas histórias incríveis como a do Howard Schultz (CEO da Startbucks) que é completamente apaixonado por café e quer o expresso perfeito. E ficamos deslumbrados com essa ideia, de encontrar um amor assim.

Ou mais próximo ainda, aqui no Brasil, o Samir Lasbeck do Qranio, que tem uma paixão incrível pelo seu negócio de educação em game.

Vemos essas pessoas que sabem o que querem e têm uma meta tão forte e um amor para a vida toda, daqueles de filmes como “Diário de uma Paixão” que não tem como não querermos algo igual.

Tipo, ok, vou largar tudo, chutar o pau da barraca, junto com o balde e o que tiver mais para tocar para o alto e vou atrás do que amo.

Mas aí vem a dura realidade: beleza, mas o que eu amo?

Aí é que a coisa complica. A ideia de sair atrás do que ama é linda, mas descobrir o que realmente se ama não é tão simples quanto essas histórias românticas apresentam. E aí ficamos na sinuca de bico. O que fazer, então? Continuar naquilo que estamos fazendo ou sair enlouquecidamente atrás do que amamos?

Tem muitas pessoas atrás disso, atraídas pela história de alguém que persegue o grande sonho da vida e cai na frustração imensa de não saber o que é. Mas tem algo para fazer?

1 – Desista de procurar o que você ama, pelo menos por um tempo

E mude a pergunta para – Como você pode servir às pessoas?

Estamos em uma fase muito egocêntrica, que tem feito mal. Mais tempo trabalhando, fechados em nossas realidades, preocupados com nossas atividades e responsabilidades que aumentaram. Logo, perdemos um pouco da sensibilidade de ajudar.

E aqui pode estar o caminho para encontrar o que ama. Usar suas habilidades para auxiliar pessoas que você gosta ou precisam. Pois, você poderá descobrir outras formas de usar os seus talentos e impactar o mundo. Ver como o mundo precisa de você pode ser a trilha para aquilo que ama.

A neurociência já provou que fazer o bem e ajudar desperta vários estímulos especiais na mente. Temos um prazer singular nisso. Entender que somos capazes de fazer a diferença, combinado com uma injeção de hormônios positivos, pode ser a forma de encontrar finalmente o cupido e ele te dar uma flechada.

2 – Experimente suas habilidades

Você descobrir maneiras diferentes de usar o seu talento pode ser revelador. Imagine, portanto, em quais situações distintas seria interessante tentar? Você é um arquiteto, expert em escritórios. Por que não tentar coisas diferentes como casas para cachorros ou canarinhos, ou ambientes de coworking, ou casa na árvore, estantes de livro ou até caricaturas de escritório? Quanto mais distinto o seu talento, maior a compreensão de quanto aquilo que você sabe pode ser útil em diferentes momentos e realidades. Quem sabe não é o que o mercado precisa e você curte mais? Novamente, você pode estar entrando no alvo daquele anjinho esperto que anda pelado fazendo as pessoas se apaixonarem.

3 – Orgulho e felicidade

Outro ponto super importante é estar pensando no que você teria orgulho de fazer. Ao terminar uma atividade e olhar para trás, pensar: “Nossa que incrível eu ter feito”. Dá aquela vontade gostosa de contar para as pessoas que você tem afinidade, mostrar aquele seu feito.

Esse é um indício importante que suas habilidades estão sendo bem usadas e você está fazendo a diferença… e, possivelmente, o amor pode estar por aí.

Além disso, sentir-se feliz por poder fazer isso é fundamental. Ao acordar, se em vez de pensar “Hoje, vou ter que fazer isso. É chato e ruim ter que fazer”, você passar a pensar “Nossa hoje vou poder fazer isso, ajudar alguém”, dá um gostinho muito melhor, para começar a segunda excitado, porque é segunda.

4 – O que você abomina

Exatamente isso, é também importante saber o que você não quer fazer, não acredita que seja certo ou não possua habilidade nenhuma de fazer. Já diminui drasticamente o que você vai experimentar e evitar de estar metendo a mão e a mente.

Óbvio que é impossível fazermos apenas aquilo que curtimos. Às vezes precisaremos fazer coisas não tão legais, mas você pode ao menos pensar como diminuir isso ao máximo, trazer pessoas que achem esse trabalho maneiríssimo de fazer, mas que ao menos diminua a carga dele para você.

Deixe ele te encontrar

Você já ouviu aquele ditado popular “quer encontrar algo, pare de procurar”? E se você puder fazer isso agora com aquilo que ama fazer?

Quem sabe, “desistir” dessa procura – tortuosa para muitas pessoas – e começar de uma forma mais bacana, agradável e possivelmente mais eficiente a encontrar a sua maneira de agregar ao mundo de um jeito divertido, é possível começar um jeito Free LifeStyle de viver. E talvez, assim, a sua paixão te encontre.

 

Bruno Perin,